sábado, 7 de janeiro de 2012

Soneto dos cabelos que eram algas – Anilda Leão


Eram algas que eu tinha em minhas mãos

E até pensei que fossem teus cabelos

Que certa vez eu tive em noites ermas

Perdidas entre dunas de uma praia.

 

E umedecidas, leves e macias

Eu esmaguei febril entre meus dedos

E um tal sabor de sal de maresia

Fez-me lembrar de novo teus cabelos.
 


Os teus cabelos que eu beijei um dia

Assim de leve como se temesse

Que se fundissem nas ondas do mar.
 


Nessas coisas do mar se transformassem

Prá que eu ficasse assim em desespero

A confundir com algas teus cabelos.

3 comentários:

  1. pessoa linda, fez sua vida valer a pena. Em direção a Deus encontrará no caminho vários de seus queridos, mormente o Sr. Moliterno, a quem tive a honra de conhecer, em minha adolescência quando da partipação de um concurso literário.

    Ide Anilda.

    ResponderExcluir
  2. Apenas; Beto; o soneto da Anilda saiu sem a forma de soneto.
    Mas isto são coisas da internet; que; de qualquer modo nos faz desfrutar o belo poema "dos cabelos que eram algas";
    tão belo que qualquer falha fica desculpada; não é mesmo?
    Parabéns pelo seu belo blog.
    Esperamos que você faça mais postagens
    dos seus instigantes temas culturais do blog.
    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Iremar, já está corrigido. Continue visitando o blog.

      Excluir

Obrigado por participar do meu blog. abraços. beto